Higroscopicidade das sementes de feijão adzuki.

Dieimisson Paulo Almeida, Osvaldo Resende, Lílian Moreira Costa, Udenys Cabral Mendes

Resumo


Neste trabalho, objetivou-se estudar a higroscopicidade das sementes de feijão adzuki (Vigna angularis Willd), obtendo-se as isotermas de sorção e ajustar diferentes modelos matemáticos aos dados experimentais.  Para a obtenção do teor de água de equilíbrio higroscópico, utilizaram-se sementes de feijão adzuki com teor de água inicial de 15,13% (%b.s.) e o método estático-    -gravimétrico. Para cada repetição, foram colocados 20 g de sementes envolvidas por um tecido permeável para permitir o contato do ar com o produto e colocados no interior dos dessecadores. Para o controle da umidade relativa nos dessecadores, foram utilizadas soluções saturadas de LiCl, CaCl2, Ca(NO3)2, NaCl e KBr. Os dessecadores foram colocados em Câmara Incubadora BOD, regulada para as temperaturas de 25; 30; 35 e 40 ºC. O teor de água de equilíbrio higroscópico do feijão é diretamente proporcional à atividade de água e decresce com o aumento de temperatura, para um mesmo valor de umidade relativa de equilíbrio. Os modelos de Copace e GAB são os que melhor representam a higroscopicidade das sementes de feijão quando comparados aos demais modelos testados. Assim, os modelos de GAB e Copace foram selecionados para representar a higroscopicidade das sementes de feijão adzuki.


Texto completo:

ARTIGO COMPLETO


DOI: http://dx.doi.org/10.15361/1984-5529.2013v41n2p130-137